Páginas

9 de ago de 2014

Tratamento natural para hiperatividade, déficit de atenção e TDAH

A hiperatividade e o distúrbio de déficit de atenção ou TDAH são transtornos mentais muito frequentes nas crianças em idade escolar, atingindo 3% a 5% delas. Ocorre principalmente em crianças e produz uma variedade de problemas de comportamento e aprendizagem.

Algumas das causas incluem:

  • Alergia ao leite, trigo, chocolate, fermento, aditivos alimentares, laranjas e antibióticos.
  • Intoxicação por chumbo pode ser um fator significativo.
  • Comer muito açúcar ou alimentos açucarados, fumar durante a gestação, privação de oxigênio ao nascer.
  • Aditivos artificiais, conservantes e alimentos que contenham salicilatos, entre outros aditivos alimentares.
  • Dieta baixa em proteínas.
  • Problemas emocionais e inadequada, incoerente ou ineficaz disciplina em casa. Criança hiperativa muitas vezes controla a situação em casa mais do que os pais. Porque os pais estão dando muitas permissões, a criança que podem encontrar seu caminho para dominar e tornar-se incontrolável.
  • Determinados tipos de lâmpadas fluorescentes são estimulantes.
  • Televisão, jogos competitivos, violentos e as deficiências nutricionais são fatores importantes para uma super estimulação.
  • As mães que fumam têm mais probabilidades de dar à luz a crianças hiperativas.
  • Crianças a partir dos lares desfeitos estão mais propensas a ter este problema.
Quando crianças com este problema ingressam na escola, por vezes, tentam usar seu temperamento para controlar seu novo ambiente. E muitas vezes têm dificuldades de aprendizagem.

Uma forte ligação foi estabelecida entre as dificuldades de aprendizagem e criminalidade juvenil. Tente resolver os problemas o mais cedo possível.

Para tratá-los de forma natural, siga os passos a seguir.

Elimine:  
Açúcar branco - Muitos estudos sugerem que crianças hiperativas apresentam intolerância à glicose. A tendência à hipoglicemia em crianças hiperativas também apoia os efeitos negativos que o açúcar pode provocar. Alguns estudos de universidades revelam que um café da manhã rico em açúcar e em carboidratos pode acentuar o comportamento hiperativo. Quando se ingeria proteína no café da manhã, a hiperatividade era muito diminuída.

Aditivos alimentares e possíveis alérgenos alimentares - São aditivos alimentares (você encontra esses nomes nos rótulos dos produtos industrializados que seguem as normas vigentes): BHA, BHT, corante vermelho, amarelo, azul e os conservantes. Podemos observar alergia ou intolerância a leite de vaca, chocolate, aromatizante de uva, aromatizante de laranja, cana-de-açúcar, tomate, produtos de trigo, ovos, derivados do leite, nozes, peixe, etc. Os alérgenos alimentares podem causar mudanças de humor, depressão e até alucinações.

Alimentos com salicilatos: amêndoa, maçã, damasco, cereja, uva-passa, amora, pêssego, ameixa, ameixa seca, tomate, pepino e laranja.

Outros - Sal, refrigerante, catchup, mostarda, molho de soja, vinagre de maçã, queijos coloridos, jantares delivery, carnes no lanche, cachorro-quente, carnes defumadas, presunto, trigo, milho, manteiga com corante, margarina, sorvete, doces e perfumes.

Suplementos minerais e plantas medicinais:

Cálcio e magnésio: Ajudam a acalmar o sistema nervoso e são vitais para a função cerebral normal. Cento e sessenta e cinco meninos com distúrbios mentais e de aprendizado estavam deficientes em magnésio. Dose sugerida: 1.000mg de cada por dia. Use variedades queladas e procure por citrato de cálcio ou gluconato. O ideal é obter tais minerais na dieta diária.

Ácido gama amino butírico (Gaba): Alguns estudos mostram que o uso de Gaba pode reduzir a hiperatividade e beneficiar crianças com distúrbios de aprendizagem.

Vitamina B6: Uma vitamina extremamente importante para a função mental normal. Indivíduos com dificuldades de aprendizado, esquizofrenia e outros distúrbios mentais frequentemente apresentam deficiência de vitamina B6. Um estudo confirma alguma melhora em indivíduos esquizofrênicos que não respondiam à terapia com drogas psicotrópicas. Dose sugerida: 50 mg em cada refeição. O importante é repor os 45 nutrientes essenciais e retirar os metais tóxicos.

Centella asiática: Pode melhorar a habilidade mental de crianças inaptas, dada sua propriedade antiansiedade. Após a terapia com a centella asiática, 30 crianças que eram consideradas inaptas foram capazes de focar suas tarefas e concentrar-se mais.

Raiz de valeriana: Na Alemanha, essa erva tem sido usada com sucesso para tratar distúrbios do comportamento da infância.

Ácidos graxos ômega-3: Alguns levantamentos mostram que, para algumas crianças com TDAH, a suplementação com lipídeos marinhos parece proporcionar alguma melhora. Os mecanismos exatos envolvidos ainda permanecem desconhecidos. O importante é manter uma relação ômega-6 / ômega-3 de 4 para 1. Atualmente a alimentação moderna proporciona elevadas quantidades de ácido linoleico, ômega-6, que é pró-inflamatório e diminui a concentração. O suplemento de óleos marinhos ou mesmo do óleo de linhaça, rico em ácido linoleico, melhora a memória e a concentração em alguns estudos. Ingerir como recomendado e usar um suplemento de vitamina E com óleo de peixe ou óleo de linhaça.

Vitamina C com bioflavonoides: Considerada um bom antioxidante, essa vitamina também ajuda a atacar os efeitos do estresse.

Tirosina: Ajuda a aumentar os níveis de dopamina, promovendo uma melhora na "vigilância" mental. Ingerir como recomendado com o estômago vazio e com suco de frutas.

Mulungu e Erva de São João: planta que compõe a fórmula de um famoso remédio calmante, e a Erva de São João podem auxiliar crianças com hiperatividade. Una os dois, misturar bem e ingerir uma colher de chá de neném uma hora antes de deitar.

Olho-de-boi em pó - meia colher de chá de neném uma hora antes de deitar.


Outras terapias de apoio

Terapia feita pelos pais
Isso impõe que nenhuma atenção seja dada ao comportamento negativo de qualquer tipo e esbanje elogios ao comportamento positivo. Isto requer um ambiente controlado, onde a criança não possa machucar outras crianças ou mesmo a si própria, e necessita de dedicação especial para obter sucesso. Os resultados de programas que utilizam esta forma de terapia são muito promissores. 
Os pais devem aprender a controlar a situação, através da formação da criança à obediência e auto-controle. Isto é fundamental. Ensine a criança a obedecer-lhe e aprender a controlar-se.

Tenha uma hora regular para dormir, acordar, comer e para outras programações diárias.

Terapia com artes:
Saídas criativas com pintura a dedo ou escultura podem ser uma grande ajuda para canalizar a energia e encorajar a satisfação pessoal.


Incentivar a espiritualidade:
Jesus falou: “Deixai vir a Mim as criancinhas, pois delas é o reino dos céus.” Portanto, fale sobre Deus para a criança, e ensine-a a amá-Lo, respeitá-Lo e a conversar (orar) com Ele.


O exercício físico:
Déficit de Atenção com hiperatividade ou TDAH em crianças muitas vezes é controlada com o uso de medicação. Novas pesquisas, no entanto, mostram que o exercício é ainda mais eficaz do que drogas na regulamentação da hiperatividade e déficit de atenção. O maior benefício do exercício é que ele é um remédio natural e seus efeitos vão além do TDAH; melhora a saúde geral, previne a obesidade e fortalece o sistema imunológico.
O exercício é um remédio natural e eficaz para TDAH. Desenvolve as funções executivas do cérebro que controlam a impulsividade e hiperatividade. Ele libera reguladores do humor no cérebro. Químicos naturais que desenvolve foco, atenção e uma sensação de bem-estar. 

Uma das razões por que os corredores tendem a cultivar um engajamento ao longo da vida com a atividade é a “alta” de execução que 
experimentam. Exercício liberam Endorfinas quando em execução que acalmam o cérebro e aliviam a dor muscular durante o exercício extenuante. Estes compostos de “boas sensações” regulam o humor, prazer e a dor. Exercício também elevam níveis de dopamina, norepinefrina e serotonina no sangue. Estes neurotransmissores regulam o foco, atenção e os centros de recompensa do cérebro. Ritalina e outros estimulantes diversos têm um efeito direto sobre estes produtos químicos do cérebro também. No entanto, se o exercício pode “fazer o truque,” por que usar medicação?

Exercícios diários por 45 minutos a uma hora, durante seis dias por semana é o ideal. Outro segredo é torná-lo parte da rotina da criança.

Pesquisas Científicas
O Mulungu e a Erva de São João têm resultados científicos comprovados. O primeiro faz parte do fitoterápico Maracujina e a segunda é apontada como o melhor ansiolítico natural pela UFRJ. Na minha experiência os dois combinados solucionam problemas relacionados com o sistema nervoso. 

E as alternativas? Na semana passada, o Journal of the American Medical Association revelou que um primeiro estudo da erva de São João mostra que ela não funcionou melhor que um placebo, para combater a TDAH. Mas o teste, com 54 crianças, durou apenas oito semanas, e até remédios vendidos sob receita podem levar até três meses para apresentar efeitos mesuráveis.

Outros tratamentos herbais para o transtorno incluem equinácea, ginkgo biloba e ginseng. Não há dados confiáveis sobre a equinácea; um estudo de 2001 mostrou avanços depois de quatro semanas em crianças usando ginkgo e ginseng, mas não havia grupo de controle para fazer uma comparação.

Há mais esperança nos ácidos graxos do ômega-3, encontrados em peixes e suplementos. Um estudo publicado no ano passado pelo Pediatric Clinics of North America concluía que "crescentes provas" apoiavam o uso desses suplementos para crianças com TDAH.


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...